AVISO

Este é o forum da Confraria Lúdica, tal como se encontrava quando foi desativado. Recentemente, encontrei por acaso o arquivo de back-up, que eu acreditava ter apagado. Consegui recuperá-lo e decidi colocá-lo no ar novamente, apenas para leitura, para que seus antigos frequentadores possam recuperar memórias deste período.

O back-up incluía todas as mensagens, mas nem todas as imagens -- os avatares, por exemplo, não estão disponíveis.

Espero que esta reconstrução possa ser útil. Caso deseje entrar em contato comigo, por favor use o endereço https://lcduarte.com/contact/.



PS: Minha mensagem com os motivos para o fechamento do forum pode ser encontrada em https://lcduarte.com/blog/436.

Bloqueios na estrada

Este grupo é dedicado a todos os jogadores de Curitiba e arredores. O principal evento do grupo é o Curitiba Lúdica, o evento bimestral de jogos de tabuleiro modernos.
Post Reply
tiagoperretto
Crash Test Meeple
Posts: 2610
Joined: Wed Mar 24, 2010 10:55

Bloqueios na estrada

Post by tiagoperretto » Wed Nov 14, 2012 02:40

"Ali! Ali!"

O aviso dado por Santiago era berrado com todo o poder que pulmões do soldado. Adicione a isso que os comunicadores embutidos na gola do uniforme e os receptores encaixados nos ouvidos eram bastante sensíveis, capazes de captar e transmitir até o menor sussurro quando eram ativados. Mas mesmo assim seus dois companheiros quase não o escutaram. Isso devia-se aos estampidos e estouros provados pelos disparos vindos do segundo andar do prédio do outro lado a rua. Era dali que os Drones e Boomers faziam o fogo chover do alto e o motivo pelo qual os soldados buscavam por cobertura.

O pelotão de controle enviado pelo Comando foi emboscado, cortado da linha de suprimento e incapaz de retornar ao ponto de entrada devido aos bloqueios armados pelos insetos. Dos quarenta e oito soldados, somente dois restavam; e com os oficiais também eliminados, o comando recaíra sobre o Sargento Marcus Fenix.

Uma rajada cuspida pela Gnasher deu o momento necessário para que Fenix e Agustus Cole entrasse no prédio em ruínas. Os dois então derem fogo de cobertura e Dominic Santiago rolou para dentro, encostando-se na parede onde, de repente, dois novos buracos do tamanho de bolas de tênis surgiram.

"Puta que pariu, senhor, porque não temos Boomshots também?", perguntou Cole, sorrido mesmo em meio ao perigo, referindo-se à arma de escolha dos Boomers, que deu receberam seu nome por causa do barulho trovejante causado pela arma.

"Contenção de gastos!", respondeu Fenix que colocou a ponta da Lancer para fora e apertou o gatilho, atirando a esmo. "Mas esteja livre para pegar uma de um deles, se conseguir, soldado!"

"Obrigado, senhor! Eu pegarei, senhor!"

A conversa ainda era gritada, pois a barragem de tiros não diminuía a força e Fenix fez um sinal para que os dois soldados o acompanhassem para a parte traseira do edifício. Os três correram, encurvados e chegaram ao lobby. Havia alguma inscrição nos ladrilhos destroçados do chão. Dominic tentou ler o que era.

"Isso é a porra de um Hilton?", surpreendeu-se, olhando em volta.

"Cadê o gerente, tem muito barulho lá fora", brincou Cole. Como que em resposta os ruídos cessaram. Os três se entreolharam. Havia agora somente o som de tijolos e argamassa caindo das paredes de entrada. O trio tentava escutar algo, um ruído ao qual se acostumaram nas últimas horas. Era o raspar de garras, parecido com o som de um cachorro correndo; junto havia um rosnado leve, vindo do fundo da garganta, igual ao de um animal enfurecido, mas que se mantém quieto para pegar sua presa. O rosnado, no entanto, só era ouvido quando as criaturas estavam perto demais. Os soldados escutaram as garras raspando no concreto da rua.

"Tickers", avisou Fenix. Era por isso que os disparados dos Drones e dos Boomers havia cessado: eles corriam o risco de acertar um dos deles.

"Hora de correr", Dom falou.

Quatro das criaturas quadrúpedes irromperam pela passagem do hotel e foram recebidos por disparos múltiplos dos soldados. Os explosivos e armas que elas carregavam amarradas ao dorso eram uma ameaça maior do que as os Tickers em si. Essas criaturas eram mais que a bucha de canhão dos insetos, era a própria bala do canhão. Porém, se eram vistas e havia espaço entre si e elas, era razoavelmente fáceis de serem eliminadas, pois mesmo ágeis, a cinta de munição que os envolvia era um alvo excelente para qualquer tiro e, sem surpresa, um dos explosivos detonou-se, levando consigo o Ticker que a carregava e, com a explosão, dois outros Tickers, os mais próximos, também foram destruídos pelo impacto da explosão do primeiro e a reação dos próprios explosivos que carregavam. Somente um escapou, mas foi abatido por um tiro certeiro de Cole.

O ar era menos oxigênio do que poeira e resquícios dos Tickers pulverizados.

"Vamos", disse Fenix, encaminhando-se para um corredor lateral. Mas com menos de cinco passos os três soldados pararam. Pelo corredor, parede e tetos vinha uma horda de Tickers. Foi dessa maneira que o ataque inicial ao pelotão ocorreu: centenas dessas criaturas saíram de esgotos, prédios, de entre as pilhas de detritos e avançaram, numa onda de explosões. Dez ou mais suicidavam-se para eliminar um soldado. Entretanto isso não importava: não havia falta delas entre os insetos.

Os soldados responderam com tiros, mas os Tickers ali estavam mais espaçados e, mesmo quando uma ou outra detonava-se em sua micro-explosões, os demais conseguiam evitá-las e avançar. Novamente no lobby os COGs viram que vinham mais Tickers do fundo e da porta. Dominic começou a subir as escadas - era uma decisão arriscada: em cima não teriam para onde escapar. Contudo, Dominic tinha outra ideia: do patamar da escada deu fogo de cobertura aos companheiros e, quando estes passaram, ele largou a arma, presa pela tira, para trás do corpo e pegou uma granada Bolo. Jogou-a na base da escadaria e protegeu-se da explosão maior, que foi seguida por inúmeras menores.

Fenix puxou Dominic, ainda abaixado com a cabeça por entre os braços, pelo uniforme, para que continuassem subindo. Dominic resistiu ao puxão, fez um sinal de negativo com a cabeça, pois falar era difícil, com os ouvidos ainda zumbindo alto pelo barulho da explosão, e pegou a Gnasher. Usou-a para disparar contra a parede do fundo do edifício. Cole e Fenix entenderam e fizeram o mesmo. Cole pegou a base de uma estátua, que anos atrás deveria ter enfeitado a escadaria, e a arremessou contra a parede enfraquecida, que se desfez ao impacto.

Até o solo era um salto de mais de quase cinco metros, mas ajudando-se os soldados conseguiram chegar ao chão novamente. Os COGs correram pelo pátio e evitaram o buraco enegrecido que um dia fora uma piscina. O som de tiros ecoaram alto e, mesmo com o zumbido do estouro ainda nos ouvidos, os soldados voltaram-se para o ruído. Os Drones e os Boomers deviam ter invadido, afinal, o hotel.

Cole serviu de apoio para Fenix e Dominic pularem o muro e ambos puxaram Cole para cima antes de saltarem para o outro lado. Não demoraria para os insetos encontrarem a trilha deles, mas talvez eles ignorassem por algum tempo o buraco na parede usado por Fenix e seus companheiros. Era preciso um momento de respiro e não havia perspectiva de outro melhor que aquele.

"Façam uma contagem", ordenou Fenix, fazendo ele o mesmo. Cole e Dominic retiraram os pentes das armas e vasculharam os bolsos do uniforme.

"Duas granadas e um pente", informou Cole.

"Dois pentes e só", Dominic disse.

"Dois pentes e uma granada", falou Fenix, mais para si. A munição era insuficiente para desalojar um bando de insetos de uma casa, quanto mais enfrentar um batalhão deles por um bairro inteiro. Era, no entanto, o que teriam de fazer para alcançar o ponto de entrada, onde o resto das forças aguardaria junto do transporte. Cole retirou a tampa de seu cantil e começou a beber, lembrando os demais o quanto eles tinham sede - Santiago e Fenix fizeram o mesmo e sentiram-se melhor.

"Temos de conseguir munição." O comentário de Fenix não era uma ordem, era uma constatação indiscutível. E os três sabiam o que aquilo queria dizer.

"Deve ser suficiente para derrubar um ou dois", animou-se Dominic.

Os soldados seguiram pelas vielas, evitando as ruas mais largas, sempre preferindo passar por dentro das estruturas. A vigilância era total e, mesmo assim, o tiro os pegou de surpresa. A armadura de proteção pessoal dos COGs é feita de uma mistura de polímeros resistentes a impactos em alta velocidade, reforçados por uma liga de aço e titânio. Sabe-se que ela é capaz de suportar o golpe de uma bala de um fuzil .308 à queima-roupa. A diferença é que o a força do impacto tem que ir para algum lugar e, mesmo que seja parcialmente absorvido pelos defletores da armadura, ela ainda enviou Dominic um metro e meio para trás, de encontro à uma parede. Cole e Fenix, aturdidos, buscaram cobertura entre os detritos.

"Dom!", chamou Fenix. "Dom! Você está bem? Vivo?"

Houve silêncio por alguns instantes.

"Vivo, sim", Dominic Santiago responde. "Bem... nem tanto."

"Quem atirou?", perguntou Cole. "Eu não vi nada!"

"O alcance dos Drones é maior que o nosso, você sabe", Fenix lembrou. "A pergunta é: conseguimos correr sem que ele nos acerte de novo?"

Ninguém respondeu. Fenix suspirou. "Essa pergunta é para você, Dom", avisou.

Cole viu Dominic arrastando com esforço por entre o asfalta arrebentado e os restos das construções.

"Difícil, senhor", informou Dominic. "Acho que nem sinto minhas pernas."

Fenix xingou alto.

"Cole, fique aqui", comandou Fenix. Conte até dez e dê um tiro. Só um, não temos munição para perder no nada. Depois mais dez e outro tiro. Vá fazendo isso até você me ouvir disparar, entendido?"

"Entendido, senhor."

Fenix passou o olhar pelo espaço adiante. Edifícios demais. Mas somente dois com três andares ou mais. Tinha de ser um deles. Era rezar que o atirador estivesse sozinho. O sargento saiu pelo lado, ligeiro, meio andando meio se arrastando e desapareceu de vista. Cole contou até dez e deu um tiro para frente. Mais dez e outro tiro. Assim foi por dezenas e dezenas de contagens. Cole viu Dominic tirando a armadura.

"Ponha isso de volta, seu merda", Cole disse, ríspido.

"Isso vai me matar antes dos tiros, Cole. Não tô conseguindo respirar", explicou-se Dominic.

"Isso é só o choque de ser alvejado, seu imbecil da porra", garantiu Cole. "Não lembra do treinamento? Você está respirando mais rápido porque está assustado. Acalme-se e a armadura não irá incomodar mais. Não dará para falar o mesmo de uma bala no seu peito."

Dominic checou, escorado em um morro de detritos, que a armadura não havia mesmo dobrado-se para dentro no ponto do impacto. Apenas o polímero que cobria a liga de metal havia estilhaçado.

Cole esquecera de manter a contagem, então deu dois tiros para compensar. Recebeu um em retorno. Isso era novidade.

"Achei que os Drones não se cansavam quando estão em tocaia", Cole comentou.

"Vai ver esse é meio Boomer", supôs Dominic, rindo do pensamento.

"Taí uma coisa horrível", disse Cole.

No caminho até os edifícios, Fenix pensou ter visto o faiscar de metal em uma delas. Podia ser um pedaço de vidro, ou mesmo parte do esqueleto da estrutura, porém ele tinha que trabalhar com alguma coisa e aquilo bastou para que se decidisse entre elas. Fez um curva grande, atento para outras ameaças, e teve de se jogar ao chão quando, à distância, viu alguns Drones, talvez patrulhando. Ficou quieto, ofegante, com a arma sobre o peito subindo e descendo. Tinha de se levantar e ir, então forçou-se a isso e correu até a base do edifício em que vira o faiscar. As paredes estavam rachadas, mas as escadas pareciam ainda sólidas. Subiu os degraus vagarosamente, parando em cada andar para uma checagem rápida. Ouvia tiros distantes, espaçados. De fora Fenix notara que o último andar, o quarto, não tinha teto, que ruíra sobre o chão. Então o alvo deveria estar no penúltimo. Fenix parou nos últimos degraus antes de acessar o corredor e fez um mapa mental do edifício e da posição deste para com a rua em que Dominic fora alvejado. "Lado esquerdo e na direita", disse para si. Ele deixou parte de seu equipamento na escada e, então, andou furtivo pelo corredor. No primeiro, segundo e no terceiro espaços - outrora, escritórios - havia somente detritos. Respirou fundo ao lado da entrada para o quarto espaço. Deu uma olhada rápida para dentro. Ali estava o Drone, deitado no chão, com a Hammerburst montada em um tripé. Não havia mira na arma - os insetos não precisavam disso. Fenix, cuidadosamente, girou o pino da Lancer para colocá-la em modo de serra. Colocou o indicador sobre o gatilho da arma e inspirou fundo, novamente. Hora de lutar.

"Será que o Fenix considerou que ficarmos aqui parados, dando tiros a esmo, é uma excelente maneira de dizermos aonde estamos para todos os insetos da região?", questionou Dominic.

Cole ia responder que sim, mas pegou-se pensando que não. Assim abriu e depois fechou a boca sem dizer nada. Então ambos escutaram um ruído distante, estranho. Cole não se sentia confiante para erguer a cabeça para tentar encontrar a fonte. Pouco depois veio um tiro.

"Isso foi uma Lancer?", Dominic perguntou, tentado ver sem ter que se expor.

"Acho que foi", concordou Cole.

Cole ergueu-se o mínimo que pode para conseguir enxergar adiante. Viu, no último andar ainda de pé de um edifício a cerca de 350 metros de onde Cole e Dominic estavam, Fenix acenando para eles. Parecia haver um inseto aos pés dele, mas era difícil dizer. Dominic foi auxiliado por Cole até chegarem ao prédio, onde foram recebidos por Fenix. Havia sangue na armadura dele, mas era mais escuro e viscoso - sangue de inseto. A serra da Lancer estava ainda mais empapada.

"O desgraçado estava deitado", riu-se Fenix. "Acho que peguei até cimento." O sargento apontou para a mochila que estava ao chão - nela estava uma Hammerburst. "Ganhamos alguns tiros de vida", falou.

O trio seguiu na direção oeste, e por duas vezes tiveram confrontos rápidos e violentos com patrulhas de insetos. Foram lutas de trincheira, cada lado distante não mais de cinco metros do outro, trocando tiros que quase estouravam os tímpanos. A vantagem em ambas as vezes foi dos COGs, contudo a munição estava no fim e restava somente uma granada. Além disso, os ferimentos acumulavam-se e eles moviam-se cada vez mais lentamente. O ânimo retornou quando escutaram um tiroteio feroz à cerca de trezentos metros para noroeste da posição onde eles estavam.

"O transporte ainda está lá!", falou Dominic, surpreso. Era procedimento que, em caso de um ataque surpresa, o transporte se afastasse, aguardando instruções do Comando e contatos do solo para proceder com um eventual resgate. Fenix sabia que, se o transporte estava ali, era porque havia problemas graves, todavia decidiu não compartilhar seus temores.

"Vamos rápido, então", disse Fenix.

Correram na velocidade que podiam até uma esquina e, à menos de cento e vinte metros, era possível ver o veículo de transporte aéreo. Havia uma barricada montada ao redor dela, e COGs a defendiam. Era possível notar que o veículo fumegava, mas a couraça dela resistiria aos disparos de armas menores, mesmo das Boomshots. Os insetos deviam ter usado alguma arma de artilharia pesada para causar danos ao veículo, o que deve ter causado uma surtida dos soldados para destruir a arma, provavelmente ao custo de muitas vidas humanas. Os que restaram agora dividiam-se entre sustentar o perímetro e consertar o veículo.

Na rua havia diversos bloqueios montados pelos insetos - morros de concreto e barreiras de tijolos, lajes e pedras. Eles mantinham-se de costas para os COGs, concentrados nos que defendiam o veículo.

"Dê nossas boas-vindas", pediu Fenix a Cole, que em pegou a última granada Bolo que tinham e a arremessou num espaço em que havia dois Drones e um Boomer fazendo chover fogo em cima dos defensores. A explosão foi impressionante, fazendo detritos e membros voarem a dezenas de metros.

Os insetos viraram-se, surpresos, pelo ataque à retaguarda deles. A Hammerburst, manuseada por Fenix, causou grande estrago quando o trio revelou-se e foi recebido por gritos de comemoração dos defensores. Porém, bastou o susto inicial arrefecer para que os insetos vissem que, quando a Hammerburst se calou, havia somente disparos das pistolas Snub, que apenas quando muito bem mirados conseguiam ultrapassar as armaduras dos insetos, que montaram um contra-ataque.

Cole viu que a situação iria degringolar rápido e, notou, que no local da explosão da granada a Boomshot do Boomer parecia inteira, ainda que a mão que a segurasse não tivesse mais unida com um corpo. Por isso Cole correu, sob fogo inimigo, até o cadáver do Boomer. Perto do corpo ele deslizou em cima dos detritos como se estivesse para roubar uma base dos insetos, mas ele queria é roubar outra coisa. Cole se protegeu dos tiros usando o corpo do Boomer como cobertura, e os Drones não tinham qualquer tipo de respeito pelo cadáver de um da raça deles - os disparos só cessaram quando Fenix deu a última rajada curta com a Hammerburst e Dominic complementou com alguns tiros pontuais com a pistola Snub.

Os Drones avançaram e Cole, saindo detrás do muro de concreto partido, os recebeu com a Boomshot. O poder de fogo destruiu os Drones e os COGs avançaram até estarem a menos de 25 metros do perímetro mantido ao redor do veículo. Os insetos agora tinham que lutar em duas direções e teriam de debandar ou morrer.

Foi então que o reforço de Drones e Tickers surgiu dos túneis que os insetos usavam para se movimentarem. As metralhadores de alto calibre do veículo contiveram o enxame por uns instantes, mas os Tickers espalharam-se e começaram a envolver as barreiras, fora do alcance das armas mais pesadas dos COGs. A batalha estava perdida; e Fenix gritou: "Corram, para o veículo!"

Dominic, Cole e Fenix fugiram por entre os bloqueios, mas os Drones subiram os morros e, do alto, disparam contra as posições dos COGs e no trio em fuga. Cole foi o primeiro atingido, caindo estatelado no asfalto pela força do golpe. Quando Fenix parou, quase por instinto, para ajudá-lo, foi acertado duas vezes, no ombro e na cabeça e estava morto antes de chegar ao solo. Dominic olhou para trás, viu Cole arrastando-se por sobre o sangue de Fenix e também olhou os Drones lançando rajadas atrás de rajadas enquanto os Tickers corriam por tudo, aproximando-se inexoravelmente. O soldado continuou a correr, em zigue-zague, até que um COG atrás do muro improvisado de defesa esticou o braço por cima da construção para puxá-lo para dentro. O tiro da Hammerburst pegou-o no ombro e o jogou direto no muro, num impacto que fez tremer a estrutura precária.

Estonteado, Dominic viu os Tickers chegando, vários sendo estourados quando surgiam, mas tantos outros, vindo pelas paredes dos prédios e por todos os espaços, conseguiram perfurar a defesa. O soldado ouviu os gritos dos outros que defenderam tão empedernidamente o veículo, e também escutou os disparos e as micro-explosões. Uma sombra surgiu diante de Dominic - era um Drone. Dominic tentou pegar a Snub, caída ali perto, mas o inseto, com quase descaso, abaixou a Hammerburst até que o cano encostasse na cabeça do soldado.

Então, tudo terminou.


*******************************

Missão: Roadblocks - resultado: Falha
Marcus Fenix - Pedro
Augustus Cole - Fabiano
Dominic Santiago - eu



Foi uma partida épica. Já no final da primeira parte, bastava uma carta ativando os Tickers para que o Cole, o último de pé, sucumbisse justamente diante do local de acesso ao próximo nível. Mas ela não veio e, assim, continuamos. Tivemos de ir e voltar no primeiro cenário, porque as cartas de movimento foram poucas e os ataques, muitos. Porém, tudo ficou pior na segunda parte.

O mapa virou uma linha reta de destruição lançada pelos Boomers e pelos Drones, com o alcance infinito deles. Havia um ou outro local para se proteger, mas era pouco. E, claro, a munição esgotou rapidamente. Mesmo assim, chegamos até o último estágio do cenário, logo diante da vitória - escapando dos bloqueios dos insetos.

Então começou a guerra de trincheira. Num tile com 4 espaços, havia 3 COGs, 2 Drones e 1 Boomer. Pense na trocação de tiros e a todo momento um COG caía, era levantado, um Drone era vencido, e as cartas traziam mais. Por umas duas vezes bastava haver uma carta com Follow para que vencêssemos - mas, oxê, ela não veio. O que veio foi uma ativação dos dois Drones que havia e ambos despacharam, afinal, os COGs há um espaço da vitória para estes.

Claro que a vitória seria preferível, contudo é difícil querer mudar algo em uma partida tão memorável.

Valeu pela luta Fabiano e Pedro!

Abs,

tiagoperretto
Crash Test Meeple
Posts: 2610
Joined: Wed Mar 24, 2010 10:55

Re: Bloqueios na estrada

Post by tiagoperretto » Wed Nov 14, 2012 04:23

Algumas imagens da partida:

Já na segunda parte do cenário.
Image


Quase lá!
Image


Dá uma olhada no embolo:
Image


Mas no final...
Image

Post Reply