Meu mar

Nunca minha, sempre minha.

  • Caminho e digo “meu mar”
  • Não por ser meu, pois não é
  • Como ela nunca foi
  • Mas eu a chamo de minha
  • Mesmo sem me pertencer
  • Em suas ondas navego
  • Em suas águas mergulho
  • Em suas costas me deito
  • “Minha” digo, me deleito
  • Sorvo sonhos, lembro céus
  • Refletidos num olhar
  • Nunca minha, sempre minha
  • E me perco em amar
O Quartel-Mestre
O Quartel-Mestre
polímata
filomático
pesquisador
escritor

LUIZ CLÁUDIO, o Quartel-Mestre, the Rules Lawyer, conversa e escreve sobre jogadores e jogos de todos os tipos, sobre ludologia, narrativas, poesia, e mais.

Próximo
Anterior