2017-05-07

FB image

O presidente João Figueiredo, último dos presidentes de nosso mais recente período autoritário, frequentemente demonstrava a crueza que alguns oficiais da Cavalaria prezam. Não foi um grande presidente, mas ele carrega o mérito de ter conduzido o desmantelamento da ditadura militar — a abertura —, contra os desejos da perigosa ala dura do regime.

Foi a eles que se referiu, ainda antes de tomar posse, com a frase É para abrir mesmo (politicamente o país), e quem quiser que não abra, eu prendo e arrebento! Lembro-me que, à época, muitos o criticaram, dizendo que uma verdadeira democracia permitiria que alguns não quisessem aquela abertura, e certamente não lhe permitiria arrebentar com quem quer que fosse.

Mas o general Figueiredo falava como futuro comandante-em-chefe das Forças Armadas, onde se escondiam forças capazes de mergulhar novamente o país nos anos de chumbo — e, como comandante, ele podia e devia mandar prender quem não obedecesse suas ordens. Quanto ao arrebentar … ele próprio tinha passado pelo comando dos órgãos de informações do Estado, e provavelmente sabia bem que apenas a força da Lei talvez não fosse suficiente para domar os profetas fardados do caos.

Bem ou mal, o presidente Figueiredo conduziu o processo de abertura, e legou-nos a volta a um regime civil, a lei de anistia, o retorno de tantos exilados.

Uma das consequências da abertura e da redemocratização foi a eleição, para presidente da República, do candidato de um partido de esquerda, em 2002.

Agora, este ex-presidente, acusado de crimes gravíssimos, contra-ataca as forças do Estado de Direito — as mesmas que, segundo muitos de seus discursos, só têm força hoje por sua obra e graça — dizendo que se não me prenderem logo, quem sabe um dia eu mando prendê-los.

João Figueiredo, militar, prometia usar a força contra conspiradores para defender a República. Lula, um dia trabalhador, ameaça usar a força contra magistrados para garantir seus crimes.

O Quartel-Mestre
O Quartel-Mestre
polímata
filomático
pesquisador
escritor

LUIZ CLÁUDIO, o Quartel-Mestre, the Rules Lawyer, conversa e escreve sobre jogadores e jogos de todos os tipos, sobre ludologia, narrativas, poesia, e mais.

Próximo
Anterior