2017-04-12

Leio as notícias, estarrecido.

Há alguns anos, referi-me ao nosso governo como uma cleptocracia. À época, um conhecido meu, que trabalhava no Palácio do Planalto, ficou ofendido.

Não sei o que ele pensa hoje. Mas sei que eu estava errado. Não era o governo de então que era a cleptocracia.

Todo o nosso Estado é uma cleptocracia.

Reflito sobre as acusações incessantes. É da natureza deste tipo de acontecimento que inocentes sejam levados pelo arrastão da opinião pública, que condena todos igualmente. Quem são estes inocentes? Ignoro. Espero que isso seja revelado.

Mas uma coisa salta aos olhos. Sem exceção, a defesa de todos – TODOS – os acusados usa os mesmos argumentos: os brados de inocência; a desqualificação das acusações e dos acusadores; as defesas técnicas que buscam invalidar provas, ao invés de se apresentarem provas de inocência, bem como estender e anular processos na Justiça.

Também salta aos olhos que os acusados nunca se incomodam com as acusações contra os outros, aliados ou – claro! – adversários. Não há solidariedade entre ladrões, ao que parece; e também parece que, mesmo quando os acusados bradam inocência, não se surpreendem com as acusações contra seus colegas. Talvez tenham informações que ignoramos…

Em todo caso, tenho que me penitenciar. Fui um dos milhões de imbecis que acreditaram que eleger Serra, Alckmin ou Aécio teria sido bom para o país. A vítima dificilmente se importa se está sendo devorada por lobos ou chacais; seu destino é o mesmo.

Existe um povo que a bandeira empresta P’ra cobrir tanta infâmia e cobardia!…

O Quartel-Mestre
O Quartel-Mestre
polímata
filomático
pesquisador
escritor

LUIZ CLÁUDIO, o Quartel-Mestre, the Rules Lawyer, conversa e escreve sobre jogadores e jogos de todos os tipos, sobre ludologia, narrativas, poesia, e mais.

Próximo
Anterior