2016-04-06

O professor Bolívar Lamounier tem toda a razão em seu pleito. Mas o que realmente me dói é perceber que, com todas as notícias sobre a compra de parlamentares pelo governo e por seu titereteiro, eu ainda não tinha me dado conta de que era um crime sendo cometido às escâncaras, com farto noticiário, indicando claramente o endereço da boca de tráfico e os seus frequentadores. Tornou-se de tal forma corriqueiro ver a compra e venda de políticos, em negócios pagos com a nossa moeda sonante, que isso já se nos afigura como uma situação normal e mesmo aceitável.

Criminosos os que compram, criminosos os que se vendem. Crime grave, e ademais vergonhoso, embora a legislação não o apelide hediondo .

Há fortes suspeitas que o passado recente do lulopetismo envolva crimes de sangue, como o assassinato de Celso Daniel. Não sei se é este o caso, mas eu sei que há muito sangue à conta deste movimento: o sangue das pessoas que não são atendidas com os recursos furtados e desviados dos serviços de saúde, o sangue das vítimas das milícias sociais pagas pelo Estado, o sangue suado por tantos que têm que se desdobrar para tentar manter a nação funcionando enquanto somos todos saqueados por aqueles a quem entregamos os nossos destinos.

Ante todo este sangue, o crime cometido pelo titereteiro e por seus fantoches quase desaparece. Quase. Mas é crime, e deve ser punido com o peso da lei.

O Quartel-Mestre
O Quartel-Mestre
polímata
filomático
pesquisador
escritor

LUIZ CLÁUDIO, o Quartel-Mestre, the Rules Lawyer, conversa e escreve sobre jogadores e jogos de todos os tipos, sobre ludologia, narrativas, poesia, e mais.

Próximo
Anterior